VÍDEO AULA - CURSO DE DECORAÇÃO CASA CLAUDIA

Loading...

TAPETE PERSA SAIBA COMO IDENTIFICAR E COMPRAR

Os principais tipos de nós de tapetes feitos à mão


Os tipos de nós predominantemente aprovadas são basicamente dois: a Sanandaj, também conhecido como "Persa" nó e o nó do Ghiordes "Turco" citado mais simples, no qual os fios separando as linhas são maiores e as duas vertentes são terminais de partir o pescoço do nó. Muitas vezes, é alegado que um tapete com uma maior densidade de nós (que, no comércio internacional de tapetes, é calculada por Decímetro quadrado) é mais valioso do que outros. Há uma longa e laborious processo.



Estes tipos de die de nós não são usados basicamente só na Turquia ou na Pérsia. O nó turco é usado também na área do Cáucaso, para isso e oferece maior resistência e estabilidade para o "tratamento do tapete.

O cálculo de nós do tapete feitos à mão


Característica do tapete (ao contrário das tapeçarias, kilim e) tecido é o fato de que sobre as cadeias da deformação estão ligadas fios curtos que constituem as peles ou velo. Muitas vezes é alegou que um tapete com uma maior densidade de nós (que, no comércio internacional de tapetes, é calculada por Decímetro quadrado) é mais valioso do que outros com menor densidade: as coisas não são sempre o caso, por isso deve ter sempre em mente que, como acontece com qualquer obra de arte, para determinar o valor do tapete mais que a densidade de nós tem a capacidade, o gosto e a sensibilidade do artesão que produziu. Nos dias de settantun e quatro horas executa um tapete de 6 metros quadrados, produzidos por três artesãos ao mesmo tempo (a quantidade de nós para cm 2).

A estrutura dos tapetes podem ser muito diferentes, como o provinienza do tapete. é por isso que precisamos de alguma explicação.

Como saber a nombre alguns nós? Como valores de calcolrae? Ç lá muito fácil olhar boa e intentamenete a cor e até mesmo a largura da parte de trás do tapete. Quando você ver algum coloridos "elementos no par", então você deve calcular este par como o único nó. Na aldeia tappete diferentes como no Irã, Afeganistão e também na Turquia, podemos ver boa parte traseira e a eSATA compozione (com todos os elementos) do tapete. Tapetes chineses e indianos tapetes são feitas differamente: eles são knotted, com veemência, é por isso que podemos ver boa composição esata na parte de trás e todos os elementos deste nó.

Tapetes feitos à mão: a autenticidade de um tapete,

sua diferença e seu valor

Há que distinguir entre um tapete feitos à mão e um tapete oriental tipo, sem pretensão de valor artístico, preço muito menor (embora algumas destas, geralmente fabricados na Bélgica, na Europa Ocidental ou até mesmo nos Estados Unidos, são reproduções interessantes. Existem alguns fabbricazzione de tapetes tradicionais na terra dos Navajo, nos Estados Unidos Sudoeste, chamado "carpets Indians). Para reconhecer um tapete feitos à mão por um tipo de imitação "tapetes tradicionais de Vitebsk" ou "Tapetes russos das Lubertzy" apenas suas pernas abertas canto plano: o tapete feitos à mão é mais suave e maleáveis que uma imitação cuja superfície é mais rígida devido ao uso de fibras sintéticas e não natural.

Há uma diferença descomunal entre o tapete ""Leste"feito à mão" e feito à que "mão" (onde existem nós). Os pontos de painel representa uma fração do trabalho na construção de um tapete. Todos os tapetes orientais não são sempre "knotted à mão". Os tapetes feitos à mão são knotted como fios woolen simplesmente são transmitidos em torno das cadeias sem qualquer nó. Também o calibre das cadeias de texturas e a lã são calculadas para que a densidade de pontos aparentemente importante sem a necessidade de reforçar os nós. A tecelagem de tapetes feitos à mão desrespeita exatamente a tradição que não podem ser consideradas como igual valor para os tapetes de fé.

É ainda importante na aquisição de um tapete salientar um aspecto que afeta a confiabilidade do vendedor. Na verdade, uma grave, mesmo anos, está disposta a trocar um tapete quando apresentado com o tempo, quaisquer defeitos ou não responder mais às novas exigências do cliente.

Alguns centros de produção são mais sofisticados do que outros para a excelente qualidade dos seus produtos. Por exemplo, em Moscou, em algumas diferentes negociar há "a tapetes persas, feitas à mão". Você pode ter legitimamente algumas dúvidas sobre a proveniência destas mantas. Em seguida, você pode solicitar ao vendedor um certificado devidamente assinado, declarando a proveniência do mesmo.

Um sinal importante para verificar a autenticidade de um tapete é a ausência de nós na parte de trás. Na verdade no tapete feito mecanicamente, desejado painel pontos, as vertentes de cabelo, em vez de serem organizadas em linha widthwise, longitudinalmente. Procurando no verso de um tapete fé você pode perceber que os fios de lã envolvem as duas vertentes da cadeia que servem o seu apoio.

Como saberei se confiabilidade do vendedor ? Você pode usar nosso texto simples .

Esta página destina-se especialmente para testar sua capacidade de diferenciar tapetes de mão, knotted e artocoli de imitação.

Atenção, esta notícia preocupa apenas o tapete feito 100% lã como temas principais:

o Tapetes que são feitos de polipropileno ou fato de outros materiais sintéticos estão vendo suas propostas sobre o aumento porque eles são procurou; não há nenhum tapetes knotted mãos-.

o : A maioria dos materiais utilizados na criação de um tapete são lã e algodão. A seda caracteriza mais finesse de tapetes. Se for de boa qualidade, um material bastante caro. No entanto recorde-se que a utilização de seda não automaticamente faz a certeza da qualidade do tapete ou um preço elevado. Seda é usada principalmente para sua resistência, pela sua extraordinária beleza e brilho de fios e o fato de que ela atrai mariposas e outras parasitas. O tapete de seda é, sem dúvida, o mais caro. Todos seda Ghoum, Héréké, Isfahan, Kachan, Hériz e Tabriz estão vendo suas propostas sobre o aumento porque muito procurado depois. Lã e algodão representam materiais usados.

o O tapete que é chamado de "o real belga Oriental" ou feito na Bélgica, Itália ou em outro país da Europa Oriental, apenas hesite: há os tapetes de factos de máquina.

Não é fácil para oggo para reconhecer um verdadeiro tapete. Porque com o grande interesse criado nos últimos anos grande em torno de tapetes, eles tornaram-se um grande problema e tornaram-se áreas que não sejam os tradicionais centros de produção com artigos da imitação nem sempre é boa qualidade. Albânia, Bulgária, Roménia e outros países da Europa Central são hoje, datação dalli nos anos cinquenta, grandes produtores tapetes knotted que invadir seu produtos de baixa qualidade aos mercados ocidentais.

Esta fotografia comparativa mostra na mesma proporção e na resolução da máquina de tapete feitos 1 x 1,5 m perto do tapete feitos à mão, chamado Kashan 1 x 1,5 m, o produto central do Irão, com a densidade de 20 nós para cm 2.



TAPETE FEITO A MÃ0                                    TAPETE FEITO A MÃ0, LADO REVERSO

TAPETE FEITO A MAQUINA               TAPETE FEITO A MAQUINA LADO REVERSO
A construção do tapete feito a máquina representa grande parte do Leste tapete feitos à mão. Ao longo de toda o inverso do tapete, você pode ver o padrão de pontos. Não conseguirá facilmente distinguir entre o segregate de nós o outro porque há simplesmente sobre este tapete. O novo edifício que mantém este tapete é a mesma coisa que mantém todos os fios. A margem é, em seguida, naturalmente, directamente cosida nas extremidades da máquina tapete feitos. Contrariamente ao tappet feitos à mão que Granada, em substituição, a extensão de deformação harmoniosa com os fios do manual da placa.

A autenticidade de um tapete oriental em seda

A seda foi usada apenas para tapetes para uso do Tribunal persa, caracteriza os tapetes de subtileza maior. Se boa qualidade, à UN material bastante caro. No entanto recorde-se que a utilização de seda não automaticamente faz a certeza da qualidade do tapete ou um preço elevado. E algumas vezes "tapetes de seda".

Naturalmente uma identificação mais precisa exige grande conhecimento que claramente não são acessíveis. Ele ainda pode ser útil saber que algodão à tecelagem no Irão, Paquistão, China e Índia; lã no Afeganistão, no Cáucaso, da Ásia Central e da Turquia; em seda para certas peças de grande prestígio nos mais importantes centros de irão, Turquia, China e Índia. Temos no entanto como para os seres conscientes de qualidade.
Como reconhecer a autenticidade de um tapete de seda


Como reconhecer a autenticidade de um tapete de seda, se estamos enganando tal seda com ele?

Os tapetes têm conhecido propagar-se, em particular com seda turcos. São mantas de lã artificial lã (mais raramente) conosco vera com nó turco: as cores mais generalizadas são os tons quentes de vermelho e azul. Mais raramente use verde. Os grandes centros são Kayseri e sua região (Caesarea em italiano). Na Turquia, a seda vera chamado "ipek" (seda em turco). Em substituição, tapetes de seda artificiais chamado "floss" (com a lã de high-class); na verdade, uma grave, mesmo anos, à dispostos a trocar um tapete quando apresentado com o tempo, quaisquer defeitos ou não responder mais às novas exigências do cliente.

É ainda importante na aquisição de um tapete salientar um aspecto que afeta a confiabilidade do vendedor. Por exemplo, alguns proposono de índios de vendedores o tapete false; é preciso muito cuidadosos para false. Às vezes, até mesmo o certificado de garantia pode não fornecer a segurança necessária para a compra. De facto, pode acontecer que a garantia de certificados pode ser feita. Ainda mais rápido é idade num tapete numa rua da cidade graças ao tráfego e smog. na Índia e algumas vezes até mesmo na Turquia, muitas vezes são mecanicamente, tapetes conosco à cuja valor muito inferior da mão knotted tapetes. Assim que chegou, tapetes são armazenados e então reimportadas com seu certificado de garantia como autênticos tapetes orientais knotted de mão. A densidade de nós à especialmente muito imprtante: a solidez do tapete de à determinada pela densidade de nós. Knotted de mão em tapetes são produzidas centenas de milhares de nós por metro quadrado e de alguns espécimes até um milhão. Existem dovebbe à ser 40 nós por centímetro quadrado e algumas vezes 70 knots. o tapete chamado "Djaldar", que é do Paquistão a uma falsificação perfeita de tapete de seda de um. Desde o restabelecimento demasiado cara vi à muitas vezes tendem a esconder talvez alguns defeitos causados por intempéries e desgaste. Mas olhando na parte de trás do tapete pode facilmente tome consciência da fraude, observando talvez buracos reparados ou riannodature para rinfoltire as peles consumidos em algumas áreas.

China, sendo um importante produtor de lã e, nomeadamente, onde nasceu de seda, muito contribuiu para o desenvolvimento da arte do tapete. O estilo de tapetes chineses segue os Imperadores de dinastias e não o local de produção porque os estúdios estavam localizados dentro do Tribunal e muitas vezes imperadores em suas viagens foram seguidos por uma multidão grande de artesãos. por vezes, vendedores chinês fazer uma apresentação de tapetes persas mas existem, na verdade, os tapetes chineses simples; a concepção de tapetes persas e chineses parecem pincel, sempre simétrica e muitas vezes muito complicado, deixa pouco espaço completamente vazio. Em algumas reuniões, tapetes de seda chinesas são subtileza maior.

Prova de seda do tapete

Em primeiro lugar, é importante que o tapete é genuíno. Como fazer? Há que distinguir entre um tapete feitos à mão e um tapete de tipo Oriental. Quais são os principais elementos que determinam o valor de um tapete. Para reconhecer um tapete feitos à mão, um tapete de seda de uma imitação apenas seu canto de plana de pernas abertas: a seda de verdadeiro tapete é mais suave e maleáveis que uma imitação cuja superfície é mais rígida devido ao uso de fibras sintéticas e não natural. Mas você não tem nenhuma garantia, porque a ausência de nós na parte de trás é difícil.

Soffregarlo , tente com força! A maioria dos materiais utilizados na criação de um tapete são lã e algodão. Seda caracteriza mais finesse de tapetes. deve ser útil para você soffregare um tapete com alguma força. Se for de boa qualidade, o material quente. Celanese, em vez disso, tornar-se "idade de gelo". Material de seda à UN bastante caro. No entanto recorde-se que a utilização de seda não automaticamente faz a certeza da qualidade do tapete ou um preço elevado. À seda usada principalmente para sua resistência, pela sua extraordinária beleza e brilho de fios e o fato de que ela atrai mariposas e outras parasitas.

Sem a prova de fogo! Se o simples toquem em dúvida, você pode usar um simples pensar, disse o teste de fogo. Que consiste na gravação uma pequena parte das fibras que reage ao fogo diferente dependendo de sua natureza: lã Burns lentamente scoppiettando e mesclagens em um único bloco que transpira um odor semelhante ao cabelo queimaram; seda não gravar em chamas, mas desativa lentamente formando uma cinzas marrom clara ou luz, que tem um odor semelhante ao que sintéticas lã de seda, em seguida, destaca-se pelo seu odor picante e ácido;

Feito o teste com um dissolver! O texto química à certamente mais fiável. Este texto baseia-se na diferença entre a proteaginosas e celulose e também os produtos da proliferi. Devemos ter 16 g de sulfato de cobre (CuSO4) com 150 ml de água. Nós também deve adicionar 8-10 g de Glycerin e, em seguida, alguns soda cáustica (hidróxido de sódio (NaOH), haverá fora da solução limpa. Essa mistura pode dissolver a parte vera de seda, como o cotono, viscose ou nylon permanecerão intacto.
O significado dos símbolos


Desenhos de tapetes Orientais são, sem dúvida, um dos aspectos artísticos mais atraentes, capazes de capturar a atenção de cada observador. É impossível não ser atraídos pela decoração floral swirls, que freqüentemente ocorrem com uma minutia caligráfico realmente surpreendente, ou pela disciplina e austeridade pela repetição de padrões geométricos, com seu perfil angular e ordenado. No entanto a análise do decors, se quiser ser verdadeiramente abrangente, não um juízo estético porque muitos desenhos fizeram não simplesmente um adorno de função, mas representam símbolos de origem antiga que expressam conceitos interessantes relacionados à história das religiões e cultura dos povos do Oriente, embora, por vezes, hoje em dia quem joga sabe não sua mensagem de profunda e autoritária.

O mundo animal

Spesso i simboli derivano da retaggi risalenti a culti pagani naturalistici e zoomorfi, per cui assumono poteri magici, apotropaici (cioè capaci di allontanare gli influssi maligni) o propiziatori. Nel patrimonio iconografico persiano molti decori si rifanno al Mazdeismo, la religione tendenzialmente monoteista fondata intorno al VI secolo a.C. da Zoroastro (o Zarathustra) e poi rimasta per secoli il culto ufficiale di tutto l'Impero Persiano fino all'avvento dell'Islam. Deriva proprio da tale credo la ricorrente rappresentazione di uccelli, che erano l'emblema di Ahura Mazda, il dio principio del bene. La loro sacralità scaturiva dal fatto che questi animali, capaci di spiccare alti voli, erano considerati veri e propri intermediari tra cielo e terra, tra umano e divino. Inoltre svolgevano una preziosa azione per la sopravvivenza della comunità, essenzialmente dedita all'agricoltura, poiché eliminavano gli animali (topi, formiche, scorpioni) che insidiavano i raccolti.

Tra gli uccelli più rappresentati troviamo l'aquila (sopra), emblema di potenza e di regalità: i suoi poteri apotropaici sono ulteriormente accentuati nel disegno dell'aquila bicipite, uno dei simboli più frequenti sui tappeti caucasici. Il rapace acquista poi una funzione amuletica particolarmente accentuata se porta nel becco una perla o dei pendenti a mezzaluna. Anche il maestoso pavone (sotto) ha sempre esercitato un fascino particolare sull'immaginario collettivo grazie al suo superbo piumaggio, ritenuto quanto mai adatto sia per celebrare il culto del sole, sia per proteggere dal maleficio grazie al particolare disegno delle penne che sembra rappresentare degli occhi. La sua importanza simbolica è ribadita dalla predicazione islamica, secondo la quale il grande profeta Maometto prima della creazione era un'entità di luce splendente con le sembianze del pavone.

Il simbolo del gallo, che occupa un posto di tutto rispetto nel patrimonio iconografico dell'Oriente, è anch'esso di derivazione mazdeista: nel culto fondato da Zoroastro rappresentava il risveglio delle passioni e della vita. All'animale venivano inoltre attribuiti influssi talismanici, in quanto assiduo cacciatore d'insetti dannosi per l'agricoltura.

Non mancano gli uccelli mitici, come il favoloso Simorgh, ampiamente celebrato anche nella letteratura persiana. In grado, come la fenice, di risorgere dalle proprie ceneri, era simbolo d'immortalità.

In considerazione dei loro poteri eccezionali, su molti tappeti gli uccelli vengono rappresentati uno di seguito all'altro soprattutto lungo la bordura principale, per costituire una specie di catena protettiva che delimita uno spazio benefico, entro cui l'individuo è protetto da ogni influsso maligno.

Ricorrono con una certa frequenza anche gli animali con le corna, soprattutto l'ariete, che richiamano le antiche origini pastorali di tanti popoli asiatici. Sono emblemi beneaguranti poiché simboleggiano l'arrivo della tanto desiderata pioggia. Non sempre è possibile riprodurre sui tappeti il profilo dell'intero animale, anzi, per esigenze di annodatura, molto spesso lo si ritrae attraverso protomi, cioè dandone una rappresentazione parziale e molto geometrizzata che da sola sta a significare l'intero.

Per gli uccelli si scelgono le ali, il becco e gli artigli. Le corna, invece, rappresentano gli arieti e vengono spesso rappresentate con un simbolo a "S", molto utilizzato su manufatti anatolici, persiani e caucasici soprattutto per riempire le parti vuote del campo e lungo i bordi. Anche la figura del drago (sopra) viene stilizzata nello stesso modo.

Vegetal

Nel patrimonio simbolico dei tappeti d'Oriente un grande spazio è riservato anche alla celebrazione del mondo vegetale, attraverso la frequente riproduzione dell'albero della vita (a sinistra). è facile comprendere l'importanza di- questo motivo se si considera che molti popoli asiatici secoli e secoli fa conducevano la loro esistenza nomade peregrinando in terre aride e desertiche, dove la presenza della vegetazione nelle rare oasi significava la possibilità di trovare la preziosissima acqua, elemento indispensabile per la sopravvivenza. Proprio da ciò è scaturita l'immagine che lega strettamente l'albero alla vita stessa, e ogni pianta viene concepita come un elemento in grado di collegare le tre parti principali che costituiscono l'universo: il sottosuolo, dominato da forze magiche, dove si insinuano le radici; la superficie della terra, regno degli uomini, dove il fusto cresce e si sviluppa; il cielo, luogo del divino, verso il quale si protendono le chiome.

L'idealizzazione di un'agognata natura rigogliosa passò successivamente alla predicazione islamica, che non a caso concepisce il paradiso come una sorta di lussureggiante Eden. Questa concezione incide profondamente sull'iconografia dei tappeti persiani detti a giardino, poiché riproducono fiori variopinti e alberi verdeggianti sui quali spesso si posano piumati uccelli solari beneaguranti.

Nei manufatti dall'insieme decorativo geometrico si preferisce rappresentare l'albero della vita attraverso il simbolo astratto dell'ancora, dal profilo simile a quello di una freccia.

Una variazione sullo stesso tema è rappresentata dall'emblema dell'albero vagh-vagh, molto ricorrente sia sui manufatti dell'età safavide che su quelli dell'India moghul. Dai suoi rami pendono teste con bocche spalancate che sembrano prorompere in urli per simboleggiare la forza vitalistica della natura.

Antichissimo è anche il motivo dell'albero affiancato da due uccelli che si fronteggiano, di cui abbiamo la prima famosa rappresentazione sul celebre tappeto di Marby (sopra), realizzato secondo accreditate ipotesi in Anatolia nel XV secolo. L'origine di tale emblema ancora una volta va ricercata nel culto mazdeista, e per questo fu molto riprodotto dall'arte sasanide. Nel disegno si vuole celebrare il rigoglio della vegetazione, poiché in questo caso gli uccelli corrispondono ad amuleti della pioggia che, portando l'acqua, rendono possibile la vita dell'albero.

Il successivo avvento dell'Islam riprese ed elaborò tale simbolo, trasformandolo nel decoro chiamato zellolsoltan, molto ricorrente in tanti tappeti floreali.

All'albero originale si sostituì un ricco vaso di fiori affiancato ai lati da due usignoli (a destra).

L'immagine conobbe poi una grande diffusione nel mondo orientale, al punto da ritornare anche come metafora in molti componimenti poetici persiani per celebrare il delicato amore tra un uomo e una donna, paragonati appunto ai fiori e all'usignolo.

O SENHOR DEPUTADO MELOGRANO

è uno degli alberi più riprodotti sui tappeti orientali, e anche l'unico simbolo che ha conosciuto un'ampia diffusione in tutta l'Asia, tanto che lo si ritrova sia nell'iconografia islamica, sia in quella cinese. La sua origine, risalente almeno.al terzo millennio a.O, come dimostrano ritrovamenti archeologici a Susa e in Lorestan, va ricercata nei territori dell'antica Mesopotamia e del sud della Persia; successivamente giunse in Cina, forse attraverso la Via della seta. La mitizzazione simbolica del melograno nacque probabilmente dal fatto che la pianta richiede pochissima acqua e cresce su ogni tipo di terreno, quasi a costituire una specie di miracolo e di dono della natura in terre aride e brulle. Lo stesso frutto, con i suoi chicchi dolci e succulenti, sembra di per sé incarnare l'emblema della prosperità: non per niente divenne simbolo di ricchezza e fertilità. Molto diffuso e rappresentato nel periodo sasanide, utilizzato fra l'altro nel culto di Zoroastro anche come immagine del sole, in Persia il melograno divenne poi uno dei motivi più ricorrenti e amati dai Safavidi (a sinistra).

Con sorprendente frequenza essi lo fecero riprodurre sui loro celebri tappeti, come tuttora si può verificare osservando uno dei più famosi esemplari conservati al Victoria and Albert Museum di Londra, che con bizzarra innovazione riproduce il frutto spaccato, in cui si distinguono i chicchi colorati. L'idea conobbe un notevole successo, e un'ulteriore elaborazione di questa tipologia iconografica diede luogo al disegno denominato fiore a scacchiera, in cui i semi del frutto vengono rappresentati in modo piuttosto geometrico, come ordinate maglie ortogonali. I Safavidi fecero anche realizzare sui loro tappeti i fiori dell'albero e non a caso tale motivo è tuttora chiamato fiore shah abbasi dal nome di uno dei sovrani più importanti della potente dinastia.

Per portare variazioni a questo unico decoro si rappresentarono anche corolle a petali semichiusi, oppure si celebrò l'importanza dell'albero di melograno riproducendolo interamente, per far pendere dai suoi rami i saporiti e ricchi frutti.

La centralità di tale motivo simbolico, in tutte le sue forme rappresentative, è tuttora confermata nelle principali produzioni persiane. Insieme all'albero della vita, è indubbiamente il motivo d'origine vegetale più ricorrente sui tappeti di Kashan, Kirman, Tabriz, Isfahan.

SÍMBOLOS GEOMÉTRICOS

A representação dos símbolos para instalações geométricas muito recorrente é a suástica , também conhecido como suástica. Suas origens são perdidos nas névoas de tempo e provavelmente remonta à antigos povos indo-europeu. Eles professos uma religião polytheistic e retomou a residência de sua divindade benéfica no céu, único elemento imutável nas suas contínuas migrações nómadas. A suástica foi precisamente sua urania religiosity, porque ele consiste em um centro de quais elementos distribuídos para transportar Vórtice de tempo. No emblema poderia ser representada o sol, rodeada por constelações ou, de acordo com recentes hipóteses interpretativas, bandos de aves jogo em taurina.

Em Persa área da suástica é elaborada após o símbolo da estrela pontas em oito (à direita), que muitas vezes em tapetes serve como um medalhão central para comunicar o conceito de centralidade do Cofre celeste.

Os números

Também a determinadas representações simbólicas relacionados com números de mágica do valor deixaram seu testemunho em alguns aspectos, a Iconografia de tapetes orientais . Privilegiado é a quatro, emblema originárias de elementos (ar, água, terra e fogo), as estações, o Cardeal pontos e semanas em um mês. Sua imagem influenciou muitas instalações que consistem em um medalhão central e quatro cantões, cada qual é exatamente a quarta parte da Locket que significa no centro. Esta forma de espaço de quadripartizione (evidente no direito de Qashqai gabbeh) encontra que sua correspondência na antiga sumérios Moon símbolo da dividida em quatro segmentos, combinados, forma um todo.

SÍMBOLOS ISLÂMICA

A propagação do Islão deu origem a outras emblemas desempenhadas no tapete. Este é o caso do chamado Hamsá (à esquerda), com o número de seus dedos recorda os cinco preceitos fundamentais de pregação muçulmana e as cinco principais personagens do Islão: Maomé, Ali, Fátima, Hasan e Hossein. Também a razão kufic, muito usado principalmente para decorar a bordure de animais de tapetes, presta-se para ser interpretada simbolicamente através de referências religiosas, uma vez que tanto stylized caracteres do antigo manuscrito árabe e se tornou o emblema do valor absoluto da palavra de Alá. Muçulmanos, na verdade, ascribe um significado sagrado para letras individuais das Escrituras porque o Corão ensina que Deus ditado cada sura (capítulo) do texto sagrado para Muhammad, para o qual cada sílaba e qualquer outra parte do manuscrito para ser considerado como direcionar a emanação divina.

Finalmente, em tapetes, eles reproduzem e de origem islâmica: por exemplo o , ou mehrab de nicho (à direita), que sempre está posicionado em mesquitas para Meca e o , sempre aceso a lâmpada e lugares de culto para indicar a imortalidade do Divino. De arquitetura provém também símbolo de ii do Templo do fogo, que representa um templo poligonal com 20 ou 28 lados, de acordo com um edifício complexo na Pérsia de Sassanid de mazdeista de religião e adoptou a idade islâmica.

Recorrente é finalmente o machado de duas pontas (à esquerda), ou seja, barra dupla, significando simbólico com Valência dualista porque comunica a dicotomia de energia capaz de promover a boa e de destruir.

Cores de tapetes orientais


As cores dos tapetes orientais ainda hoje são obtidos com os processos naturais que datam de antiguidade. De facto as corantes na tinturaria de lã são minerais, vegetais e animais.

Em todas as culturas do Caucase arte pré-industrial tinturaria era um trabalho desafiador, das quais cada artesão zelosamente mantidos o segredo que foi proferido de geração para geração. Certos povos ou regiões haviam acumulado uma merecida reputação de suas cores: por exemplo alguns tecelões brancos eram considerados altamente para seu preto profundo, sua região particularmente era conhecido por sua vermelho e azul. A utilização de corantes sintéticos é adoptada entre o final de 1875 e início de 1890 quando as tribos na oficina de reparação da Cáucaso um tapete nem sempre calcular a quantidade exata necessária de corantes diferentes: por vezes o tapete pode manter 50 anos (também raramente pode ser tingidos com corantes sintetichi) a lã de uma determinada cor, para fazer o trabalho, você deve tingerne de novo e é muito difícil de obter a mesma gradação. Isso muitas vezes se torna um pretexto para Weaver de caucasianas obter efeitos especiais pinturas. Esta é a causa da diversidade de cores que são encontradas em tapetes, que são chamados estriadas e que, apesar da anomalia cromática, nada perdão do seu mérito; na verdade a listra, para o perito constitui uma atração exclusiva, especialmente para a antiguidade carpets brancos. Há cerca de dez anos têm cores, cuja qualidade é tão elevada que funde com corantes naturais. Hoje os corantes sintéticos são as mais comuns na produção de tapetes.

O melhor do século XIX, a utilização de corantes sintéticos é adoptado no Oriente graças à descoberta na Inglaterra pelo químico que sintetizou o primeiro anilina cor, em 1856, (um derivado do benzeno). Esta foi uma verdadeira revolução que reduziu consideravelmente o custo de corantes para os tecelões no Cáucaso e também em todo o Oriente.

Após a primeira guerra mundial, corantes químicos, disponível em várias tonalidades, EF, efectivamente, rápido e fácil de usar mesmo eram muito inferiores corantes naturais à resistência das fibras, suas cores e a capacidade de obter tons de diferentes tons de cinza. A utilização de corantes químicos, feita com anilina espalhar muito rapidamente em todo o Oriente.

Há cerca de dez anos têm cores, mordance, cromo, cuja qualidade é tão elevada que funde com corantes naturais. Hoje os corantes sintéticos são as mais comuns na produção de tapetes. Há alguns anos, Pérsia tentando refrear a invasão por corantes químicos. Mas prevaleceram o preço baixo e o absoluto-Fonts que economiza tempo e esforço (considerando o trabalho solicitado pelos pontos de painel que exigem de nós quarenta, cinquenta ao centímetro quadrado e muito mais). Se você pensar a troca contínua de lane e paciente impostas pelo design, podemos compreender sua entrega para as antigas fórmulas asiáticas.

Hoje os corantes naturais são mais difundidos na produção de tapetes. Há vinte anos, Pérsia tentou reprimir a invasão pelo químico corante para tapetes orientais. Mas prevaleceram o preço baixo e a conveniência absoluta que economiza tempo e esforço, na Turquia, no final dos anos sessenta da XX são e a troca contínua de lane e paciente impostas por design, podemos compreender seus corantes sintéticos forgoes também no Afeganistão, Índia, irão, Paquistão e Nepal.



Uma das principais vantagens do tapete oriental é beleza sedutores spot e da sua fusão harmoniosa. Os povos da Caucase no tingimento lã obtém cores, tons quentes, soberness, que combinadas no arranjo imaginativo de design, animar o tapete com jogos de coloração evocativa e absolutamente inequívoca.

O azul e obtidos a partir de folhas do tinctoria Indigofera necessários para bath em água (por meio de fermentação e cor de comprar de fibras de oxidação) e destilação do zest de indigo.

O vermelho é extraído robbia tinctoria (ou "rubiatinctorum"), planta muito comum em todo o Oriente, cuja raiz doa uma gradação vermelha que varia de acordo com o local de origem.

FAÇA JÁ O SEU CONTATO projetos@excite.it (31) 9411-6577

. Maquete eletrônica

. Compatibilização de projetos

. Móveis personalizados

. Design de interiores